Sábado, 12 Outubro 2013 19:34

Animais e pessoas sofrem com a seca no Tocantins

Avalie este item
(0 votos)
 Com a seca do Lagoão, a lama cobriu diversas tartarugas (Foto: Clifton Morais / TV Anhanguera/ Divulgação)

Com a seca do Lagoão, a lama cobriu diversas tartarugas (Foto: Clifton Morais / TV Anhanguera/ Divulgação)

A brutal seca que atinge 27 municípios do Tocantins tem castigado animais como botos, tartarugas e a população que vive no é Estado.

Em Formoso do Araguaia, a 323 km dePalmas, o Ibama resgatou, no mês passado, 14 botos que estavam encalhados. Após 20 dias, representantes dos órgãos ambientais precisaram retornar à região para salvar milhares de tartarugas. Elas estavam em um lugar conhecido como Lagoão, onde deságua o rio Formoso, mas que por causa da seca se tornou uma poça de lama. As mais de 5 mil tartarugas tiveram que ser levadas para um ponto do rio Formoso, a 30 km do local.

Além de tartarugas, os profissionais também recolheram um jacaré. Segundo moradores do local, normalmente o Lagoão chega a medir 150 alqueires, o que equivale a cerca de 960 campos de futebol, mas hoje só resta lama em um pequeno espaço e carcaças de peixes, jacarés e tartarugas que morreram antes de serem resgatados.

Em Paranã, a 393 km da capital, a sede tem castigado os animais como bois e vacas. Nos lugares mais distantes, caminhões levam água a 57 mil pessoas.

O programa do governo do Tocantins, que pretendia distribuir cisternas em municípios do estado ainda não foi colocado em prática. A ideia é que os 11 mil reservatórios recolham as águas das chuvas, mas em Arraias, as cisternas estão amontoadas no pátio do sindicato rural. Os reservatórios custaram ao governo do Tocantins e ao Ministério da Integração Nacional quase R$ 70 milhões.

O diretor da Agência Tocantinense de Saneamento (ATS) garante que as cisternas serão instaladas em breve e que ninguém vai ficar sem água. “Aqueles que vierem a receber após o período da chuva, eles receberão as cisternas cheias. Trataremos esta água e deixaremos as cisternas cheias durante este período da estiagem para estas futuras famílias”, disse o diretor da ATS, Péricles de Andrade Alves.

No início do projeto, o governo do Tocantins prometeu entregar as cisternas em abril deste ano, mas a população ainda não recebeu os reservatórios. Agora, o Estado se comprometeu a iniciar a distribuição a partir de novembro.

Fonte: G1

Lido 1119 vezes