Imprimir esta página
Quinta, 27 Fevereiro 2014 17:50

Paraná também quer – Instituto cria petição para hospital veterinário público no Paraná

Avalie este item
(0 votos)

O Hospital Veterinário Público para Cães e Gatos já é uma realidade na cidade São Paulo. O projeto inovador tem provado cada vez mais a necessidade de atendimento gratuito para animais da população de baixa renda e, por isso, o hospital já conta com duas unidades, uma na Zona Leste e outra na Zona Norte da Capital Paulista.

Responsável pelas duas unidades do hospital em São Paulo, Fernando Ibañez, presidente do IFI (Instituto Fernando Ibañez) e professor da UFPR, pretende que este trabalho também se torne realidade no estado do Paraná, onde vive atualmente. Por isso, lançou  no início deste ano a petição “Por Um Hospital Veterinário No Paraná”, que circula pelas redes sociais com centenas de assinaturas.

Iniciando os trabalhos voltados para o bem estar animal no Paraná em 2013, o Instituto Fernando Ibañez introduziu no estado a Campanha Pela Erradicação da Cinomose, que em parceria com ANCLIVEPA-SP (Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais),  já vacinou mais de 15 mil animais pelo Brasil. E através do IFI em parcerias com ONGs e Associações paranaenses, deve percorrer todo o estado em 2014.

De acordo com Fernando Ibañez, a realização dos trabalhos voltados para o bem estar animal no Paraná o fez perceber que a realidade dos animais do estado não é tão diferente da que presencia em São Paulo, e a necessidade de atendimento público para esses animais é extremamente necessária. “Tutelar um animal de estimação e não poder cuidar dele pode ser um desafio. Quem vivencia um animal, que às vezes é o único companheiro, definhando e sofrendo, sofre junto. E para não sofrer, às vezes, as pessoas acabam por abandonar seus animais na esperança de que alguém com mais posses possa adotá-lo e dele cuidar“, relatou Ibañez, que explicou também sobre a importância do hospital veterinário na saúde pública: “Animais soltos nas ruas podem ser reservatórios de enfermidades, podem causar acidentes por ataques a munícipes e podem causar acidentes de trânsito, além de sujarem as vias e parques públicos. Pensando nisso, a Cidade de São Paulo, por intermédio do Vereador Roberto Trípoli, inaugurou, em 2012 o primeiro serviço veterinário gratuito municipal; do qual sou diretor desde sua implantação”.

Inaugurado desde 2012, com uma nova unidade no início de 2014, o Hospital Veterinário Público de São Paulo já atendeu mais de 20 mil animais, realizou mais de 100 mil procedimentos. Diariamente são atendidos mais de 100 animais nas duas unidades, realizadas cerca de 600 cirurgias por mês. “Viver esta experiência pode me mostrar o quanto é simples mudar a vida de uma pessoa. Um gesto! Cuidar de quem ela gosta, dar carinho, preocupar-se, dar apoio e atenção. Isso faz um ser humano feliz. Muitos podem pensar que num país onde a saúde pública e gratuita é precária não cabe o atendimento aos animais. Eu discordo. Cuidar dos animais das pessoas carentes é tão importante quanto cuidar da saúde das delas. Mesmo porque quando felizes com seus companheiros, estas pessoas ficarão menos doentes, menos deprimidas, mais motivadas“, observou Ibañez.

 

Mais Saúde e Menos Abandono

 

Para Fernando Ibañez, cuidar dos animais das pessoas carentes implica em menos abandonos, na chance de programas de educação continuada sobre saúde pública, higiene e posse responsável e menos animais abandonados nas ruas. “Isso reflete menos transtornos com transmissão de enfermidades e menos gastos com capturas, hospedagem e programas de adoção”, observou.

Sobre a escolha do Paraná para a nova implantação ele explica: “Não tenho dúvidas de que a experiência foi e é um sucesso na cidade de São Paulo. Seguindo nosso exemplo, outras cidades estão se mobilizando para modelos semelhantes de atendimento a animais de pessoas carentes no Estado e no País. Tenho certeza que a implantação de um serviço gratuito de atendimento veterinário no Paraná, em qualquer cidade, será o estopim para mais uma semente de humanitarismo e cuidados com a população em nosso estado“, finalizou.

Fonte: Elaine Paiva (Assessoria Instituto Fernando Ibañez)

Lido 2586 vezes