Sexta, 14 June 2013 04:22

A História de Papudinho

Avalie este item
(0 votos)

A história, que envio a vocês, é a do Papudinho, um cachorro SRD, de porte médio, pelo curto, uns 4 anos aproximadamente, que apareceu na rua da casa dos meus pais quando eu ainda morava lá.

Apareceu como quem não queria nada e um vizinho, que já tinha vários animais adotados das ruas, começou a alimentá-lo. Ele, muito esperto, já que ninguém no local o maltratava e ainda tinha refeição grátis, ficou por ali, embora durante o dia, pudéssemos encontrá-lo passeando pelo centro da cidade.

Meu pai o chamou de Papudo, em razão de uma disfunção que ele possui na glândula salivar (não sei se está certo) e ele tem um papo na garganta.

Como esse vizinho que o tratava já tinha outros animais para tratar, passei a dar a ração da cachorra lá de casa para ele e deixar um pote de água na rua. Com o tempo, comprei uma casinha e coloquei na calçada para ele se abrigar e algum "esperto" furtou a casinha dele.

Comprei outra e amarrei na torneira de casa por baixo do portão! Assim, ele ficou morando entre minha casa e a casa do vizinho, tomava vacinas, usava remédio de pulga e carrapato e acabou ganhando a simpatia de todos, contudo, em épocas de cio, ele saía e ficava sumido por dias e voltava todo machucado em razão das brigas com outros cães e eu tinha que levá-lo ao veterinário...

Também tinha a história de latir para os motoqueiros e pessoas que passavam na rua, porque achava que aquela era a casa dele. E, na verdade, era!!!

Passado algum tempo, o levei para castrar e, como ele precisava ficar uns dias com o abajur, com jeito, o coloquei para dentro de casa para que ficasse protegido no pós-operatório. Mas ele foi ficando, ficando e ficando.

Meus pais não queriam mais um animal, pois tinhamos uma cadela pastor alemão grande e dois gatos e o espaço na casa deles não é grande. Mas Papudo se dava bem com a cachorra e com os gatos. E também já tinha nos conquistado.

Papudo agora morava em nossa casa e saia todos os dias para passear comigo, com meu pai, com a cachorra lá de casa e o com outro cachorro que também mora na rua da casa dos meus pais.

 Assim que fui morar com meu namorado, não quis me afastar de Papudo e o levei para morar comigo. E claro, foi uma ótima decisão. Hoje, ele tem uma vida que todos os cães merecem: mora em uma casa com piscina, com espaço e grama para ele brincar e vai passear todos os dias bem cedinho comigo, além de ter como irmão postiço, um labrador enorme que também foi resgatado da rua, mas essa já outra história...

Não sei se os ouvintes vão considerar a minha história tão emocionante assim. Mas sinto muita emoção em contá-la, pois é uma história que deu muito certo e tem um final feliz!

 

 

Juliana Garcez

 

 

Lido 4768 vezes