Sexta, 14 June 2013 05:01

A História do Cãozinho Amigo

Avalie este item
(0 votos)

Meu nome é Amigo. Sou um cão que foi resgatado das ruas há muito tempo.  Estava tranquilo em uma chácara com vários outros amigos até que a pessoa que era responsável por nós faleceu.  Passamos muitas dificuldades, fome e frio. Alguns amigos meus não resistiram e morreram. Eram bons companheiros e infelizmente não conseguiram sobreviver.

Um dia, “Anjos" nos acharam e começaram a cuidar de nós. Logo começamos a engordar, fomos a um veterinário que nos vacinou e cuidou da nossa saúde. Enfim, voltamos a ser felizes.

Nossos "Anjos" fizeram de tudo para termos qualidade de vida, apesar de não termos mais um dono. Eu achei que os maus tempos haviam acabado, mas me enganei!

 Um dia, sofri um acidente muito feio e só eu sei o que aconteceu. Fui degolado... Fiquei muito tempo sozinho, sangrando no meu canil e já estava quase indo embora quando o meu "Anjo" apareceu... E para mostrar que eu estava vivo, me esforcei bastante e abanei o meu rabo. Então, fui salvo novamente.

Fui ao veterinário e ele tentou consertar o que fizeram comigo. Senti muita dor e fiquei muito triste. Voltei para a chácara, muito debilitado e dois dias depois partes do meu corte estavam necrosando, pois não estavam cuidando direito de mim.

Mais uma vez, meus "Anjos" vieram ao meu socorro! Fui levado a um outro veterinário e fiquei internado lá. Passei por mais duas cirurgias, muitos curativos e muitas injeções. Eu tive muita dor, mas também muito carinho e atenção.

 Depois de meses internado, eu me recuperei, mas ganhei uma grande cicatriz.  Voltei para a chácara e ganhei um canil só meu. Tinha o meu cantinho, mas sem carinho nem atenção... Sou um cão tão carente, adoro crianças, sou um ótimo companheiro, mas não tinha um dono!

E um dia, aquele "Anjo" que me salvou, me levou para sua casa e me deu um lar. Eu ganhei uma amiga muito querida, a Cindy. E ficamos numa casa grande, que era para ser de caseiro, mas a mãe disse que era uma casa para nós dois.

Ela colocou caminha bem fofinha para nós e eu a destrui. A Cindy ficou brava comigo, porque eu destrui a dela também. Então, a mamãe colocou um cobertor, cheirosinho e quentinho. E eu destrui também. E ainda o levei para a grama para tomar chuva. Aí a mamãe colocou tapetes de carro, aqueles peludinhos. Ahhh, eu adorei e não consegui destruir.

Todo dia de manhã, eu ganhava uma cenoura crua cortada e pedacinhos de pão. Adorava estar com minha mãe. Ela limpava a casa e eu ficava sempre ao lado dela. Fui muito, muito feliz, pois agora sim, eu tinha uma família.

 

Esta carta é uma homenagem da Renata Buono ao seu cãozinho Amigo, que faleceu no dia 18/02/2013.

 

 

Lido 4502 vezes