Imprimir esta página
Quarta, 24 Fevereiro 2010 04:57

O metro, os cães e a Bíblia

Avalie este item
(0 votos)

Metrô.

Às vezes não me contenho e quero comentar algumas coisas que acontecem ao nosso redor e que de alguma forma também se refletem ou se repetem na questão dos animais.

Hoje para fazer um curso na região dos jardins resolvi ir de metrô. Fui fazendo as conexões até a linha verde, aquela que passa embaixo da avenida paulista e pela primeira vez entrei nos novos vagões do metrô. Realmente são bem bonitos, mais espaçosos e tem até ar condicionado, que nestes dias de calor é muito bem vindo.

A primeira pergunta que me fiz, é, se a linha da zona leste é a mais cheia, é onde as pessoas ficam literalmente entaladas dentro dos trens, porque não vieram para esta linha os novos vagões? Porque os trens maiores foram para este ramal que tem menos gente? Onde tem mais gente, literalmente coladas umas as outras, o calor é maior, mas mesmo assim o Governo do Estado colocou o ar condicionado no vagão que naturalmente é mais fresco, pois tem menos gente.

Fiquei logo pensando porque os moradores dos jardins merecem um Metrô melhor que o pessoal de Itaquera ou Artur Alvim. A outra pergunta que não quer calar é sobre o intervalo entre os trens. Nos horários de pico, os trens vão passando a cada dois ou três minutos, e vão sempre lotados, com aquele famoso empurra empurra. Ai, nos meio da tarde ou nos finais de semana, quando a população poderia viajar com um pouco mais de conforto, o que o metrô faz? Aumenta o intervalo entre os trens, para juntar mais gente e o vagão continuar cheio. Dá para entender?  

A outra dúvida que tenho é como que o trem, ao chegar a estação Brás em situação de ocupação total dos espaço, ainda sim comporta entrar tanta gente? Aquela Lei da Física que diz que dois corpos não ocupam o mesmo lugar é derrubada diariamente na estação do metrô Brás.

E falando de Metrô e também de cachorro, as estações de Metrô acabam a contra gosto refugiando os pobres dos cães de rua, que não tem para onde ir. Na estação Guilhermina-Esperança moram uns 10 animais. Tem um que inclusive fica aos pés da bilheteria. Somando todas as estações da zona leste, informalmente a direção do metrô admite a existência de cerca de 100 cães sem dono.

Outro dia ouvi o segurança do metrô dizendo assim no rádio:” Q.A.P. , S.S.O.  há um elemento canino morto nas escadas de acesso a plataforma. Estou me dirigindo para lá. Q.A.P..S.S.O. o elemento canino que estava morto levantou, abanou o rabo e subiu as escadas. Ao que tudo indica o elemento estava apenas dormindo, cambio”.

A Bíblia.

Você sabe quando as coisas vão melhorar? Quando o poder público poder parar de fazer mais para poder fazer melhor. Mas para isso acontecer precisa nascer menos gente. Enquanto nascerem cada vez mais crianças, a prefeitura tem que construir cada vez mais escolas e mais creches. Enquanto a população não parar de crescer, cada ano tem que construir mais um hospital, e mais carros vão travar o transito.  

Os países europeus e o Japão, com os casais tendo apenas um ou no máximo dois filhos, já chegaram a uma situação de estabilidade ou até mesmo de diminuição da população. Entre outras coisas, eles podem agora melhorar a qualidade das escolas e dos hospitais, ou seja, podem fazer melhor ou invés de fazer mais. Dizem que o Brasil caminha para estabilizar sua população dentro de duas décadas, mas até lá nascerão mais alguns bons milhões de brasileirinhos.

Eu sei que a Bíblia disse “crescei e multiplicai-vos”, mas parece que seguimos a risca esta passagem e esquecemos totalmente de outras até mais importantes como a do “não matrarás” ou do “amar ao próximo como a ti mesmo”.

A população de cães e gatos também cresce em número frenético, chegando em alguns bairros da capital a se aproximar da proporção de um cão para cada pessoa. Por isso no caso dos cães e gatos já é amplamente aceita e considerada a cirurgia de esterilização, para ver se o “crescei e multiplicai-vos” dos cães consegue ser estabilizado. Quem sabe assim não vai ter tanto “elemento canino” nas estações do Metrô.

*Wilson Grassi - médico veterinário
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.


Lido 6031 vezes