Domingo, 14 July 2013 05:28

A temperatura cai e os cuidados com os animais aumentamA temperatura cai e os cuidados com os animais aumentam

Avalie este item
(0 votos)
Problemas respiratórios e urinários são comuns durante a época fria do ano (Foto: Shutterstock)

Problemas respiratórios e urinários são comuns durante a época fria do ano (Foto: Shutterstock)

Com a chegada do inverno, os animais domésticos precisam de alguns cuidados especiais. Não é porque possuem pelos que eles não sentem frio e estão imunes a doenças. “As pessoas devem entender que animais também sentem frio, alguns mais do que outros. Cães magros como pinscher, boxer, whippets e SRD de pelagem curta sentem mais frio. Animais de pelagem longa ou com pelos e subpelos, como os pastores, akitas, huskys e chow chow, possuem uma proteção natural”, explica a Dra Elaine Pessuto, médica veterinária e coordenadora do curso de auxiliar veterinário do CETAC – Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária.

Ainda segundo a veterinária, nos dias e noites com baixas temperaturas é preciso abrigar os animais do vento, chuva e frio. É importante colocá-los em casinhas ou canis que não recebam vento de forma direta. Alguns animais gostam de cobertores e edredons, mas outros os destroem, então uma alternativa é colocar pallets de madeira ou plástico que fiquem distantes do solo cerca de 5 cm; outra opção são os tapetes de borracha que podem ser fixados diretamente na madeira para isolar a friagem e manter o ambiente mais quente.

Muitos cães gostam de usar roupa, mas é importante se certificar de eventuais alergias ao tecido  (Foto: Shutterstock)


Foto: Shutterstock

“Muitos cães gostam de roupas, inclusive cães de grande porte, mas é sempre bom testar antes, verificar se eles não vão rasgá-las ou se não possuem alergia. Para descobrir, basta colocar a roupa e deixar por algumas horas, retire e verifique principalmente a região das axilas; se ela estiver vermelha e o animal tentando coçar, pode significar alergia ao tipo de tecido. Na maioria das vezes é só trocar por um tecido natural, mas se a coceira ou a vermelhidão persistir recomendo abolir a ideia de deixar o animal com roupa”, salienta a veterinária.

Assim como os humanos, os animais também ficam mais suscetíveis às doenças respiratórias durante o inverno. A principal delas é a traqueobronquite infecciosa canina (popularmente conhecida como gripe canina ou tosse dos canis), doença que causa tosse seca como se o animal estivesse engasgado e está associada a infecções virais e bacterianas. Em relação aos gatos é importante ficar estimulando a ingestão de água, que diminui nesta época, pois eles ficam mais tempo dormindo, e, com isso, aumenta as chances de problemas urinários.

“A traqueobronquite infecciosa, é como a gripe de gente; pegamos através do contato direto com indivíduos infectados e principalmente em ambientes fechados. O nosso inverno é frio e seco, assim as mucosas nasais e orais ficam ressecadas e a proteção natural diminuiu, por estar frio mantemos o lugar fechado e com menos ventilação, assim fica mais fácil do agente infeccioso se instalar. Animais que frequentam hotéis, creches e banhos e tosa ficam mais suscetíveis por estarem em ambientes fechados com outros animais e, como a nossa gripe, a deles também é altamente contagiosa”, revela.

Ainda segundo a Dra. Elaine, toda gripe pode se tornar perigosa, principalmente em indivíduos jovens (filhotes) e idosos, assim qualquer sinal de problemas ela recomenda que o animal seja levado imediatamente ao veterinário. Os sinais são tosse, que em cães parece um engasgo, coriza ou secreção nasal purulenta (catarro), além da diminuição de apetite.

Outra situação que requer atenção é o caso de animais com problemas ortopédicos ou que possuem implantes metálicos. Nessa época do ano, devido ao frio, é comum apresentarem dores mais intensas.

A frequência dos passeios e caminhadas diárias as quais o pet já está acostumado não deve ser alterada. Pacientes adoentados, animais com problemas respiratórios, ortopédicos ou gripes devem evitar passeios durante os dias mais frios, já os demais podem sair para suas caminhadas habituais desde que devidamente agasalhados.

No banho, a água deve estar em temperatura morna e as orelhas dos animais devem ser bem protegidas com algodão, de preferência parafinado. “O animal não deve ficar molhado. Sempre se com o auxílio de secadores e toalhas, e sempre longe do vento”, ressalta a veterinária.

Cuidados durante a secagem do pelame também devem ser observados, como a temperatura do secador, que não deve ser muito quente a ponto de causar um choque térmico quando o animal sair à rua, ficando exposto ao frio e ao vento.

Fonte: Época

Lido 914 vezes