Sábado, 20 July 2013 02:51

Minha história na Proteção Animal

Avalie este item
(0 votos)



Abril de 2007. Reintegração de Posse no Jd. Vermelhão-Pimentas. Cenário muito triste e complicado. Crianças chorando, pessoas desiludidas vendo suas casas caírem... Nada se podia fazer. Tentativas para mediar foram feitas, mas no final, prevaleceu a ordem judicial: “Temos que reintegrar. Nada a fazer senão retirar os ocupantes do local”.

Durante a ação, num quintal, eu avistei o “figurinha”, deitado ao sol sem se importar com o que acontecia. Fiquei preocupado pela imobilidade dele, parecia que queria resistir à passagem do trator... Ficou firme e resoluto.

Estranhando, chamei seu “dono” e pedi para que o retirasse. Este, por sua vez, chamou uma criança e ela o recolheu em seus braços, colocando-o noutro canto.

A operação continuou. O sol estava escaldante e ele, permanecia ali imóvel. Nesse momento, percebi que ele não podia andar.

Sabendo que tinha uma colega que outrora fora do Canil, chamei-a e pedi para avaliar a situação. Ela comentou que ele tinha vários bernes na cauda. Pela ignorância no assunto, perguntei se tinha cura e ela, acenou positivamente com a cabeça.

Pedi para que o levassem a um hospital veterinário onde foi convenientemente medicado. Disse ao “dono” que o levaria e estaria à disposição no Batalhão, caso o quisessem de volta, o que não aconteceu.

Depois de medicado e para surpresa, no dia seguinte já estava ensaiando alguns passos e muito rapidamente voltou a andar ? penso que a dor era muito grande.

Ganhou o nome de Muleke e ficou conosco um bom período, suficiente para angariar a simpatia de todos. Muito alegre e brincalhão, enfeitava a chegada de todos no expediente da unidade. Foi adotado por um colega, mas infelizmente, certa ocasião, alcançou a rua e desapareceu.

Ficamos muito tristes e tentamos localizá-lo. Tentativas em vão.  Fiquei na expectativa de que ele poderia ter novamente cruzado o caminho de alguém especial e ter sido novamente resgatado. Expectativas, expectativas, expectativas.

 Muleke deixou muitas saudades e vontade e força para prosseguir na ação. Em nome dele quero, neste momento, agradecer o apoio emprestado por todos os colaboradores da proteção e por meus parceiros policiais pelo auxílio no resgate e encaminhamento dos diversos que por aqui passaram.

Possibilitaram a condição de saírem do abandono, da fome, do frio e da doença tornando-se vetores de muita alegria para os lares onde foram encaminhados mantendo hoje a dignidade almejada por nosso grande Pai e Criador e nossa obrigação, como Gestores do Planeta, é dar continuidade a este trabalho ? que não é nada fácil.

 Nenhum de nós é bom o suficiente como todos nós juntos!

 

Belucci

 

Lido 4115 vezes